Alimentação na gestação: aprenda a potencializar sua saúde!

Tempo de leitura: 6 minutos

Alimentação na gestação: aprenda a potencializar sua saúde!

Por Dra Fernanda Tenório

A gravidez é um momento muito especial na vida da mulher. Afinal, uma nova vida está se desenvolvendo em seu ventre.

Juntamente com o vínculo emocional que está sendo formado, ocorrem também modificações fisiológicas no organismo materno.

A futura mamãe passa a ter uma necessidade aumentada de calorias e nutrientes essenciais à sua saúde e ao adequado desenvolvimento do bebê.

No primeiro trimestre, a saúde do embrião vai depender da condição nutricional pré-gestacional da mãe.

Com isso, e se você está se programando para engravidar, é importante que, por mais ou menos três meses antes da concepção, as suas reservas tanto energéticas, quanto de vitaminas e minerais sejam controladas.

Daí, a importância de um acompanhamento médico e nutricional.

Durante os primeiros três meses, não é considerado inadequado para a gestante:

• Perder até 3kg;

Manter o peso pré-gestacional;

• Ganhar até 2kg.

A perda de peso nessa fase pode estar vinculada aos enjoos que acontecem, principalmente pela parte da manhã, e são característicos desse período.

Como aliviar os enjoos na gestação:

• Realizar refeições pequenas e frequentes (8 a 9/dia);

• Não tomar líquidos junto às refeições;

• Consumir biscoitos salgados pela manhã;

• Utilizar gengibre em preparações;

• Preferir preparações secas;

• Ingerir alimentos gelados e cítricos;

• Evitar temperaturas extremas;

É necessário salientar, que ao longo de toda a gestação, a mãe NÃO deve comer por dois.

A quantidade calórica possui maior aumento a partir do segundo e terceiro trimestre gestacional.

O acréscimo encaminhado é de, em média, 300 kcal/dia no segundo trimestre, e de 450kcal/dia no terceiro, a depender do estado nutricional da gestante.

Então, como se vê, nada de elevar de forma exorbitante o valor calórico diário!

A mulher que está com seu peso pré-gestacional dentro dos limites adequados, deve adquirir de 11,5kg a 16kg ao decorrer de toda a gravidez.

Recomendações nutricionais específicas para uma gestação saudável:

O conveniente aporte de energia e nutrientes é indispensável para que a gestação evolua e o feto cresça e se desenvolva apropriadamente.

Vale a pena ressaltar alguns macro e micronutrientes que são essenciais a esta época:

1. Ácido fólico

É uma vitamina do complexo B que auxilia na formação do tubo neural do bebê, o qual é desenvolvido no primeiro trimestre gestacional.

Desse modo, para as mulheres que estão planejando engravidar, é importante a aplicação desse nutriente na alimentação na base de uns 60 a 90 dias antes da concepção.

Fontes: levedo, fígado de boi, vegetais folhosos, beterraba, aspargo, abacate, gérmen de trigo, laranja.

2. Ômega 3

Associa-se com a construção do sistema nervoso central do bebê; diminui o risco de pré-eclampsia e depressão pós-parto.

Fontes: sardinha, salmão, chia, linhaça, nozes.

3. Proteína

Responsável pela estruturação do corpo formando e renovando as células.

Fontes: carnes, peixes, ovos, leite e derivados, leguminosas (soja, feijões, lentilha, ervilha, grão-de-bico).

4. Ferro

Previne a anemia na mãe; a necessidade aumenta na última metade da gravidez.

Fontes: É encontrado em fontes animais como fígado bovino, vísceras, carnes, aves, peixes e em fontes vegetais como os folhosos verde-escuros (espinafre, brócolis, couve, entre outros), leguminosas, frutas secas e cereais com adição de ferro.

Estas últimas fontes necessitam do consumo da vitamina C para sua melhor absorção.

5. Vitamina B6

Aperfeiçoa o sistema imune; evita o aparecimento de depressão pós-parto; facilita o metabolismo de outros nutrientes.

Fontes: semente de girassol, banana, pão integral, atum, nozes, espinafre, suco de ameixa.

6. Cálcio

Auxilia na formação dos ossos do feto; é requerida uma demanda maior no último trimestre da gestação. Fontes: leite e derivados, chia, vegetais verde-escuros, tofu.

7. Vitamina D

Equilibra o metabolismo do cálcio. Sua deficiência pode acarretar na mãe e no feto: hipocalcemia, hipoplasia do esmalte dentário, osteomalácia materna.

Fontes: óleo de fígado de bacalhau, fígado de boi, gema de ovo, salmão, sardinha, laticínios.

8. Vitamina C

Participa da síntese do colágeno (estrutura ossos, cartilagens, músculos e vasos); aumenta a absorção do ferro e contém antioxidantes colaborando com o funcionamento do sistema imunológico.

O déficit desse nutriente pode favorecer o risco de infecções, ruptura de membranas, parto prematuro e eclampsia.

Fontes: frutas cítricas (laranja, limão, abacaxi, tangerina, caju), morango, goiaba, mamão, tomate, brócolis, couve flor.

9. Fibras

Colabora com o trânsito intestinal, ajudando aquelas mamães que sofrem com a constipação nesse período. Além disso, cooperam com a saciedade.

Fontes: feijão, lentilha, sementes, cereais integrais, batata-doce, frutas e legumes diversos.

O que evitar?

• Fumo e álcool;

• Alimentos como café, chá, chocolate, refrigerantes e alimentos gordurosos;

• Frituras (dar preferência a preparações grelhadas, assadas ou cozidas);

• Alimentos industrializados em geral;

• Alimentos crus (principalmente saladas fora de casa, peixes crus, onde não se sabe a procedência e/ou se foram higienizadas corretamente);

• Alimentos não-pasteurizados;

• Peixes ricos em mercúrio como: cação, peixe-espada, garoupa, tubarão e marlim;

Orientações gerais:

A realização do pré-natal é imprescindível para assegurar o nascimento de uma criança saudável e a garantia do bem-estar neonatal.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde no Brasil, preconizam a suplementação de alguns nutrientes prevenindo males que possam vir a assolar a mãe e ao feto.

As consultas nutricionais podem abranger todas as consultas do pré-natal, ou minimamente, uma consulta a cada trimestre gestacional.

Veja então, como é significativo o acompanhamento individualizado nessa etapa tão importante da vida!

Não deixe, pois, de ser acompanhada por um médico especialista e também por um profissional da área de nutrição.

Autora do Artigo: 

Dra Fernanda Tenório – Nutricionista, graduada pela UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau. Apaixonada por alimentação saudável infantil, realizou um projeto relacionado ao consumo de alimentos industrializados nos dois primeiros anos de vida, participou de um projeto de extensão em segurança dos alimentos. Atuou nos setores social, clínico e de UAN – Unidade de Alimentação e Nutrição.

 

Leia mais:

Prevenir doenças: conheça agora o poder do verde!

Açúcar: conheça os tipos e saiba qual a melhor opção de consumo!

Alimentos diet e light: você conhece mesmo as diferenças?

Alimentação infantil de 0 a 2 anos de vida – o que ofertar e o que evitar?